Indecisão: Por que às vezes é tão difícil fazer escolhas?

Saiba o que é mito e o que é verdade na busca por um emprego
08/06/2011
Como se destacar em um entrevista de emprego
06/07/2011
Exibir tudo

Indecisão: Por que às vezes é tão difícil fazer escolhas?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

escolhas22

“Nos perdemos de nós mesmos quando damos atenção demais à opinião dos outros. Isso dificulta a tomada de decisões”

Muitas vezes, em artigos anteriores, eu afirmei que uma das mais importantes ferramentas que possuímos na vida é a nossa capacidade de fazer escolhas. Sem escolher, somos constantemente arrastados para lá e para cá, como se estivéssemos a bordo de um barco desgovernado, à mercê das ondas e tempestades.

Sem perceber, somos obrigados a fazer um enorme número de escolhas todos os dias.

Escolhemos a hora em que vamos acordar, a roupa que iremos usar, o que comeremos em nosso café da manhã (isso se tivermos escolhido tomar café, é claro!). Escolhemos com quem vamos interagir, a quem vamos sorrir, que ligações iremos retornar.

Além dessas coisas aparentemente pequenas, fazemos também as grandes escolhas. Todos os dias escolhemos novamente sair para trabalhar, ou nos relacionarmos, ou estudar, e por aí vai.

Imaginem o quanto uma pessoa indecisa pode acabar se vendo em maus lençóis!

Podemos pensar em vários graus de indecisão.

Existem aquelas pessoas que ficam horas dentro de um provador de roupas olhando para duas cores de camisa e saem de lá sem nenhuma (ou com as duas!) porque simplesmente não conseguiram escolher. Existem aqueles que passam a vida em um emprego medíocre porque não conseguiram tomar a decisão de arriscar quando uma outra oportunidade surgiu. Existem pessoas que se atrapalham todas nos relacionamentos porque não conseguem saber quem realmente desejam ter a seu lado, seja como amigo, amante ou namorado.

Quanta confusão!

Quando éramos pequenos, antes de sermos transformados em mini-robôs, todos nós sabíamos exatamente o que queríamos. Sabíamos se queríamos o colo de nossa mãe ou daquela tia chata que apertava nossa bochecha. Sabíamos se gostávamos de sopa de ervilha ou de batatas fritas – essa era fácil! Sabíamos se preferíamos morder a bola ou a orelha do gato. Nada difícil!

O que aconteceu conosco então? Como acabamos nos transformando nesse poço de confusão incapaz de escolher entre azul e amarelo?

A resposta que me ocorre é que nos perdemos…
… nos perdemos de quem de verdade somos
… nos perdemos daquela força natural de vida que nos leva a escolher.

1º) Nos perdemos de nós mesmos quando damos atenção demais à opinião dos outros.
Em algum momento da vida todos nós sofremos algum tipo de pressão para sermos o que era esperado de nós. De alguns era esperado que fossem sempre cordatos e compreensivos. De outros, que fossem fortes e inflexíveis. Não importa quais fossem as expectativas, é certo que todos nós tentamos cumpri-las em algum momento, lá atrás.

No entanto, chega um momento de nossas vidas em que precisamos enxergar que, por mais que nos esforcemos, nunca satisfaremos a todas as pessoas. NUNCA! Entender isso nos liberta para sermos simplesmente quem somos, para fazer as nossas escolhas, mesmo que não agradem a quem está à nossa volta.
No entanto, essa libertação às vezes é mais difícil para algumas pessoas, que continuam tentando agradar, corresponder, acertar… e lá vem a indecisão. Chega de tentar agradar… você gostou do vestido amarelo com estampas de girassol? Compre-o, mesmo que sua mãe acha amarelo uma cor horrível. Quer a gravata de zebras? Arrisque, crie seu estilo, seja quem você é.

2º) Nos perdemos de nossa força de vida quando temos medo de errar.
Se você teme errar acaba ficando sempre parado no meio do caminho entre o verde e o amarelo, entre a praia e a montanha, entre o pão de forma e o croissant. É triste, porque na verdade não existe essa coisa de erro e acerto. Mesmo que você devore um croissant todo cheio de manteiga e acabe passando mal, terá aprendido e crescido com isso, então de alguma maneira foi um acerto para você. Não há vida sem que corramos riscos. Se você aceitar isso, se estiver em paz com o fato de que errará algumas vezes (talvez muitas!), nunca irá diminuir a sua força vital com medo que ela atraia alguma situação perigosa na sua direção.

Muitas pessoas “escolhem” não escolher, sem se dar conta de que essa é uma escolha também.

É uma fuga, como se apagassem seu próprio brilho, o deixassem bem fraquinho, tão fraquinho que não tem sequer força para ir em uma ou em outra direção. Não faça isso… acenda sua luz, nem que seja para cometer um erro luminoso. Ao menos estará vivendo, aprendendo, crescendo.

Treinando escolhas
(Um cuidado: Casos mais graves de indecisão tem sido associados a depressões. Se esse for seu caso, se não conseguir escolher nem mesmo as coisas mais simples, como levantar-se de sua cama, busque ajuda em primeiro lugar.)

Para quem já não escolhe há tempos talvez a capacidade de escolher esteja um tanto enferrujada. Talvez você realmente não saiba nem por onde começar. Assim, depois de compreender um pouco o que o levou a negar a si mesmo, só lhe resta praticar:
Comece parando de abrir mão de escolher! Mesmo se não souber o que quer, invente! “chute”! Arrisque!

Sabe quando seus amigos estão se reunindo para almoçar e alguém lhe pergunta:
– O que você gostaria de comer?
Bem, resista… (resiiiiiiiiiiiiiiiiiista) a dizer – “Você é quem sabe!”

Tudo menos isso!!!

Dê um mergulho até seu estômago e pergunte-lhe o que gostaria, e se não tiver resposta… “chute”!

Isso provocará algumas interessantes mudanças em você. Seus neurônios ficarão intrigados e comentarão uns com os outros:
– Tçdk jkhad? Iwaehe j (weu rd) ewfh weiohfo? (* língua de neurônios)
*Tradução: – “Como assim? Agora ele (ou ela) decidiu escolher?

Sairão correndo para lá e para cá, estabelecendo novas conexões. Talvez até convoquem uma reunião de emergência em sua mente! Uma mudança começará acontecer, pois você estará enviando a si mesmo a mensagem de que é alguém que sabe escolher. (Obs: não deixe que seus neurônios ou amigos saibam que está “chutando”!).

Aprenda também a prestar atenção nas suas sensações corporais, elas são ótimas auxiliares. Então quando lhe perguntarem:

“Você prefere almoçar no parque ou em um o matadouro?”

Imagine-se caminhando pelo parque, em meio à natureza… e depois pelo matadouro… preste atenção nas sensações corporais e perceba qual opção lhe traz uma sensação de mais conforto, e então… bingo! arrisque sua escolha.

Eu sei que esse exemplo foi um “golpe abaixo da cintura”, afinal nesse caso não é tão difícil escolher… mas com a prática e uma boa dose de boa vontade você aprenderá.

Tudo o que você precisa é fazer uma primeira escolha.

Só para ajudar:

– Você prefere tentar ou desistir?

Fonte:http://www2.uol.com.br/vyaestelar/indecisao.htm (via)

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Rodrigo Luis Afonso
Rodrigo Luis Afonso
Já fui de tudo um pouco, mas atualmente prefiro ser apenas eu mesmo. Siga-me no Twitter (@rodrigoafonso).

Deixe seu comentário, teremos um prazer inenarrável em vê-lo.